fbpx
Close

Como administrar o orçamento da casa e sair do vermelho em 4 passos:

Muitas famílias estão endividadas. A forte recessão dos últimos anos tirou o emprego de milhões de brasileiros, e estes, sem renda, acabaram priorizando o pagamento dos gastos conhecidos como essenciais, como água, aluguel e energia, e passaram a atrasar suas demais dívidas.

É evidente que pessoas de bem não querem ter problemas financeiros e tampouco ter seu nome sujo na praça.

Algumas famílias precisam somente de orientação para ter uma nova atitude quando for lidar com o dinheiro. Que tal ler algumas dicas simples para começar a ter uma nova vida financeira?

 

É preciso admitir que está com problema

 

Como qualquer problema que passamos o primeiro grande passo é admitir que ele existe. Muitas pessoas tendem a colocar a culpa pelo seu descontrole financeiro em terceiros e com isso não assumem seus erros e continuam a agir como se nada tivesse acontecendo.

O sintoma de que as coisas não estão bem é simples: a renda mensal tem que ser suficiente para honrar todos os compromissos financeiros, sem atrasos.

Caso isso seja pontual, ou seja, uma única vez e por pouco tempo, o problema não se instalou, mas se todos os meses isso ocorre, é hora de procurar ajuda.

 

Organizar o orçamento é preciso!

 

Independentemente de estar ou não com problemas financeiros é fundamental organizar o orçamento da casa. Em seguida, vamos listar passo-a-passo como ter um controle que permita a virada em sua vida financeira.

 

Passo 1: Sua renda

 

Aqui a tarefa não é difícil. Normalmente as pessoas possuem uma ou duas fontes de renda. De qualquer maneira é preciso entender que a renda que sua família pode contar é aquela após os descontos legais.

Assim tome sua renda bruta e deduza (quando for o caso) a contribuição previdenciária e o imposto de renda retido na fonte.

O resultado é sua renda líquida disponível. Exemplificando: Renda Mensal Bruta: R$ 2.000,00. Neste caso o imposto de renda é de 7,5% deduzida à parcela de R$ 142,80. Assim o imposto de renda será de R$ 7,20.

Para quem contribui para o INSS este salário bruto tem recolhimento de 9% ao INSS. Assim será descontado do valor a receber R$ 180,00. Agora teremos a renda líquida: R$ 2.000,00 (-) R$ 7,20 (-) R$ 180,00 = R$ 1.812,80.

Assim sua renda líquida, neste exemplo, é de R$ 1.812,80 que passa a ser considerada 100%. Vale destacar que para cada faixa de renda há alíquotas diferentes, tanto do imposto de renda como da contribuição previdenciária.

Quem atua no mercado em outros regimes de contratação, como o setor público terá sua própria metodologia de cálculo previdenciário.

 

Passo 2: Seus gastos – Essenciais

 

Vamos adotar o método conhecido como “50, 15, 35” para entender seus gastos. Neste tipo de organização do orçamento familiar o indicativo é destinar 50% de sua renda líquida para os denominados gastos essenciais.

São considerados essenciais gastos com moradia, alimentação, educação, locomoção e saúde. Assim, liste o quanto gasta com aluguel, IPTU, comida, escola, passagem de ônibus e combustível, farmácia e plano de saúde. Pela regra a somatória destes valores não pode ultrapassar os 50%. No exemplo, os gastos totais máximos seriam de R$ 906,40 (50% de R$ 1.812,80).

 

Passo 3: Seus gastos – Prioridades Financeiras

 

Na regra que estamos propondo a segunda decisão é destinar 15% de sua renda líquida para as prioridades financeiras. Se enquadram aqui pagamento de dívidas e poupança, isto é, valor que deve ser guardado.

Exemplos de prioridades financeiras: dívida com financeiras, saldo financiado no cartão de crédito, uso do limite do cheque especial, dinheiro destinado à caderneta de poupança, plano de previdência privada e outras aplicações financeiras. Utilizando o nosso exemplo o valor mínimo será de R$ 271,86 (15% de R$ 1.812,80).

 

Passo 4: Seus gastos – Estilo de Vida

 

Na regra os gastos para manter seu estilo de vida devem ser no máximo de 35% de sua renda líquida. São exemplos de gastos com estilo de vida: conta de celular que não for a trabalho, viagens de lazer, roupas que não são de trabalho, comida fora de casa de lazer, enfim, aquilo que é supérfluo. Em nosso exemplo o valor máximo seria de R$ 634,38 (35% de R$ 1.812,80).

 

As contas não fecham? Comece pelos gastos com o seu Estilo de Vida

 

Na regra “50, 15, 35” o olhar é dos gastos essenciais, passando pelas prioridades financeiras e chegando ao estilo de vida. Quando há problema em fechar as contas, inverta a lógica, ou seja, comece economizando nos gastos com estilo de vida, não mexa nas prioridades financeiras e se necessário reveja seus gastos essenciais. A meta é que sua renda líquida cubra todos seus gastos. Os percentuais podem mudar, mas não deixe de destinar os 15% para prioridades financeiras.

 

Agora é com você

 

Para assumir o controle de sua financeira é preciso dedicar um tempo para entender como está sua vida financeira. Com as dicas acima é possível dar início ao controle mensal. Liste os gastos em um caderno ou em uma planilha eletrônica. Tenha disciplina e faça os controles diariamente e totalize ao menos uma vez por semana. Agora é com você! Conheça meu canal, Planeta Economia, e coloque o mundo da economia em suas mãos, em um dos meu vídeos, falo sobre o mito da dívida “sumir” depois de 5 anos, Confira!

 

Com Doutorado, Mestrado e Especialização, Reinaldo Cafeo é Economista, Delegado do Conselho Regional de Economia, Consultor Empresarial em Economia e Finanças, Vice-presidente da Associação Comercial de Bauru e Diretor do Canal Planeta Economia no Youtube.

Related Posts